Newsletter

Just enter your email to get all the latest offers

DUMPLIN’

Dumplin’ é um filme norte americano, dirigido por Anne Fletcher e escrito por Kristin Hahn, que vem com o intuito de quebrar padrões de beleza e estereótipos. Willowdean Dickson (Danielle Macdonald) é filha única de uma ex Rainha da beleza, Rosie Dickson (Jennifer Aniston), de uma pequena cidade do Texas. Se vocês acham que ser filha de uma ex Miss é difícil, imagina quando se é “gorda” e totalmente fora dos padrões?!

 Will trabalha em uma lanchonete, e é apaixonada por seu colega de trabalho Bo Larson (Luke Benward). Quando ela descobre que ele sente o mesmo, ela não acredita, porque ela não consegue acreditar que pode ser amada por alguém do jeito que ela é, e acaba se auto sabotando, mas é claro, isso não é culpa dela, mas sim da sociedade em que vivemos.

Willowdean e sua melhor amiga Ellen Dryver (Odeya Rush), eram muito apegadas a Lucy (Hilliary Begley), tia de Will e graças a influência da mesma, super fãs de Dolly Parton desde crianças. A morte de tia Lucy e suas consequências é o que conduz a trama.

 Quando está mexendo nas coisas de sua tia para doação, acha uma inscrição nunca entregue para um concurso de beleza e um folheto de um clube de motoqueiros em que drag queens fazem apresentações covers de Dolly Parton.

 Will, Ellen e outras duas amigas se inscrevem no Miss Teen Bluebonnet como protesto pelos padrões de beleza nesses tipos de concurso. Mesmo que não haja restrições de aparência para participar, só garotas magras costumam de inscrever. Lee Wayne / Rhea Ranged (Harold Perrineau), e as outras drag queens ajudam as meninas a se prepararem para o concurso.

Dumplin’é uma história incrível de auto aceitação e amizade, o tipo de filme que te faz chorar do início ao fim. É importante também para percebermos nossa importância no mundo e para entender que o que pensamos sobre nós mesmos é muito mais importante do que a opinião dura e cruel de algumas pessoas. Muitas vezes estamos tão ligados a essas opiniões que não percebemos que realmente podemos ser amados do jeito que somos.

No Comments

Post a Comment