Newsletter

Just enter your email to get all the latest offers

Consciência Negra

A Dona da Casa Produções Artísticas, premiada com o título Destaque Empresarial 2018 pela Federação Brasileira dos Acadêmicos das Ciências, Letras e Artes, milita arte em todas as suas modalidades, porém não repousa suas ações apenas no campo das letras, discursos e manifestações culturais. A produtora valoriza o ser humano como peça chave, sem o qual tudo o mais não se realiza. Sua bandeira não é só promover cultura, como também o indivíduo que a realiza, buscando trazer para o ambiente comum categorias excluídas, como se fossem peças do quebra-cabeça que formam a cultura nacional.

Fundador d’A Dona da Casa, Fernando Drummond faz questão de compartilhar os valores da empresa, cujo papel social é a base de tudo que produz. Imortalizado na cadeira do grande escritor Carlos Drummond de Andrade, Embaixador da Paz, autor de dois best-sellers, além de outros prêmios, Fernando cita o parente famoso, cuja cadeira assumiu recentemente:  “O outro nome da paz é justiça social”.  A causa é a rica herança defendida com orgulho.

Pelo histórico, pelos valores assumidos e pelo papel social, A Dona da Casa não poderia deixar este dia 20 de novembro passar em branco. O Dia da Consciência Negra marca o projeto Novembro Negro, em que a produtora destaca e homenageia expoentes em vários segmentos no Brasil e no mundo.

A Dona da Casa Produções Artísticas lembra as vítimas diretas e indiretas da escravidão, suas lutas e conquistas, através do resgate cultural, afirmação de identidades, o que vem conferir a autoestima de tantos excluídos  na sociedade. De igual forma, rende tributo a todos os que lutaram e lutam pelos direitos dos negros e suas realizações.

Consciência em todas as dimensões dos diferentes atores sociais: dos que se colocam na posição de serem donos de vidas alheias, limitando participações, a partir do critério cor da pele, e dos subjugados, muitos com seus horizontes e perspectivas de vidas ofuscados que perderam referenciais e ainda sofrem no interior o açoite da opressão, ou até ao custo da própria vida.

Consciência ao promover a ressignificação destes, através das artes, incentivando-os a se situarem como partes integrantes da sociedade brasileira, mescla de diversos povos, o que torna impossível uma fisionomia que a identifique, pois é formada pela soma de muitos jeitos, falares, tradições e matizes – todos merecedores de usufruir do direito de ser humano, como agente da construção da brasilidade, com autoestima, somando as diferenças.

Assim, a Produtora promove a justiça social, elevando ao mesmo patamar os excluídos, incentivando outros tantos ao movimento pela libertação das sutis correntes,  que aprisionam, excluem, segregam e tornam invisíveis indivíduos,  conjunto de crenças, artes, realizações, que paradoxalmente estão por toda a parte como testemunhas de suas vivências, sustentando a estrutura da sociedade.

Este 20 de novembro faz um convite para  reconhecer  o passado, cujo limite não se iniciou na primeira pisada forçada do africano neste solo, mas vem de mais além, com toda a bagagem formada pelas tradições marca de uma herança. Precisaríamos passar pelo filtro conceitos, preconceitos hoje, no aqui e agora e avançar no futuro, dando sua parcela de contribuição para uma sociedade melhor, mais igualitária e com justiça social.

DECISÃO

Raça!

Cor!

A sua pele negra

O traço que é só seu

Tentam negar

Fingem que você não existe

Dono da ginga

Do suingue, do batuque,

Ritmo quente

Marcado no seu jeito sensual,

No encontro de gestos

Manifestos

Destaques que acompanham

Tons, semitons, supertons

Das notas musicais.

Comissão de frente,

O seu braço forte construiu

E impulsionou a história

Com dor,

Sofrimento

E o ideal de ser livre.

A sua nobreza se revela

Na resistência,

Ao nadar contra a maré

E tentar definir o caminho

E sonhar

E criar estilos

Com raça e determinação.

No seu sangue,

Nas suas veias

Há força, fogo e paixão

O seu sonho ninguém pode impedir!

Então viva!

O espaço é seu também.

1 Comment
  • Antonio Xisto

    dezembro 16, 2018 at 2:56 am Responder

    Parabéns, pelo texto@

Post a Comment